Futsal

Futsal brasileiro - 30 anos de uma façanha

Há três décadas, Jackson, Walmir e Paulinho Bonfim ajudavam o Brasil na conquista do inédito título mundial

Felippe Drummond Neto – Do Hoje em Dia – 6/06/2012 – 14h57

Parabéns para o futebol de salão brasileiro. Um dos esportes mais praticados no país comemora nesta quarta-feira (6) 30 anos de seu primeiro título Mundial. Na final, o Brasil derrotou o Paraguai por 1 a 0, no Ginásio do Ibirapuera, e ergueu o troféu da categoria, em 6 de junho de 1982.  A façanha histórica teve participação especial de um trio mineiro. O gol do título foi marcado por Jackson, considerado o principal nome da história do Futsal brasileiro. Além dele, Paulinho Bomfim e Walmir representaram o Estado na inédita conquista.

Passados 30 anos, os ex-jogadores, que construíram suas carreiras defendendo o Olympico Club, conhecido como “Tricolor da Serra”, mudaram de vida e seguiram rumos diferentes. Formado em Economia, Jackson é proprietário de uma loja de materiais esportivos, no Pampulha Iate Clube. Paulinho se formou em direito e trabalha como advogado. Já Walmir montou um restaurante em Santa Tereza. Contudo, mesmo após três décadas, a proeza ainda está fresca na memória do trio que brilhou nas quadras.

Organizado pela Fifusa – antiga gestora do Futsal, atualmente feito pela Fifa, o Mundial foi disputado de 30 de maio a 6 de junho, em São Paulo. O torneio teve a participação de dez seleções (Brasil, Argentina, Costa Rica, Tchecoslováquia, Uruguai, Colômbia, Paraguai, Itália, México, Holanda e Japão). Os jogos foram transmitidos ao vivo, em horário nobre, para todo o Brasil.

A iniciativa possibilitou a grande divulgação do esporte. “Foi uma coisa de louco. Estávamos acostumados a jogar em ginásios menores, que cabiam no máximo 6 mil torcedores e, no Mundial, chegamos a jogar para até 20 mil. Era muito bom, mas a pressão aumentou”, relembra Jackson, eleito o melhor jogador do Mundial.

Além de marcar o gol na final, Jackson eternizou a camisa 12, assim como fez Pelé, com a 10, nos gramados. O mineiro chegou à Seleção como um ilustre desconhecido. Por isso, teve que esperar os mais antigos como Leonel, Miral e Branquinho, escolherem suas camisas. Quando chegou sua vez, sobraram apenas números como 12, 15 e 16.

“Fiquei com a 12 porque achei diferente e deu certo. Ganhamos o Mundial e passei a usá-la em todos os títulos que disputei com a camisa verde e amarela. Além disso, fui considerado o melhor atleta do ano e o melhor jogador do mundo. Desde que abandonei a Seleção, esta camisa passou a ser muito disputada e usada por craques como Vander Iacovino e, agora, Falcão”, comenta o ex-craque.

Embora exaltem a conquista, o tratamento dispensado pela Confederação Brasileira de Futsal (CBFS) é alvo de crítica. “Foi um privilégio fazer parte de tudo isso. A única mágoa que temos é com a Confederação. Nunca recebemos uma homenagem. Agora é tarde, porque alguns jogadores daquele time já morreram”, reclama o ex-fixo Walmir.

Sacrifícios do amadorismo

Para alcançar o título mundial, a Seleção teve que trabalhar duro e os jogadores chegaram a arriscar seus futuros para que tudo desse certo.Na ocasião, o esporte ainda não era profissionalizado e os jogadores se dividiam entre as quadras e os empregos formais. Por isso, tiveram que fazer acordos com os patrões ou até mesmo abandonar os trabalhos. “Como não éramos profissionais, tivemos que fazer uma escolha entre representar o Brasil ou permanecer nos nossos empregos. Deixamos tudo para trás e fomos representar nosso país. A maioria dos jogadores não vivia do esporte, a não ser aqueles que eram contratados por empresas, para trabalhar e jogar. Por essas e outras, tínhamos que ganhar o título”, conta o ex-ala Paulinho Bomfim.

Além da difícil escolha entre o esporte ou o trabalho, os jogadores comandados pelo técnico Júlio César Vieira foram submetidos a um exaustivo programa de treinamentos. Durante 15 dias, o grupo trabalhou em Fortaleza em jornadas de aproximadamente 8 horas diárias.

Depois desse período, a Seleção brasileira desembarcou em São Paulo onde fez dois amistosos preparatórios para o grande mundial. “Foi muito difícil, mas valeu a pena no final. Conseguimos o título, abrimos portas para o esporte que não era tão reconhecido e, o mais importante, criamos amizade. Aquele grupo era mais do que uma Seleção, eram amigos que brincavam de fazer o que mais gostavam”, recorda o ex-fixo Walmir.

“Não tinha um time titular, todos estavam preparados para jogar assim que o técnico chamasse, e todos aceitavam começar no banco ou até mesmo nem entrar no jogo”, revela Jackson.

Técnica deu lugar à força

De 1982 para cá, muita coisa mudou. A modalidade deixou de se chamar futebol de salão para ser conhecida como futsal. Nas regras, duas modificações merecem destaque. Antes restritos à área, atualmente, os goleiros podem ultrapassar aquele espaço e fazer as vezes de um jogador de linha. Por outro lado, ficaram mais vulneráveis com a permissão para se fazer gol de dentro da área.

No entanto, o que mais chama a atenção dos ex-jogadores é o estilo de jogo. “Eram outros tempos. O futebol de salão tinha todo o charme do futebol brasileiro. Jogadores habilidosos, com muita técnica. Diferentemente do que vemos hoje, em que todo mundo joga igual, os jogadores são fortes fisicamente e o preparo físico é que ganha os jogos. Hoje, raros são os atletas que atuam no Futsal com o espírito do verdadeiro futebol de salão”, compara Paulinho Bomfim.

Além disso, os ex-campeões lamentam o atual momento que a Seleção Brasileira atravessa. O Brasil não disputará o Mundial em dezembro, na Tailândia, porque não conseguiu se classificar na Eliminatória Sul-Americana.

“Os jogadores estão saindo muito cedo do país e não estão tendo tempo para uma formação completa. Além disso, o mundo todo joga da mesma forma: correria e toque de bola em linhas. Falta aquele individualismo de antigamente. E ‘ai’ de quem se atrever a não fazer apenas o que é treinado”, debocha Bomfim.

“Hoje, o Futsal é muito mais marketing e brigas de ego do que um esporte. Um determinado jogador que tem nome, não aceita ir para o banco. Na nossa época não tinha nada disso, éramos todos por um e um por todos, no sentido literal da frase”, acrescenta Jackson, em tom crítico.

Categorias: Notícias

Assuntos:

Mais recentes

  • Peneirada

    OLYMPICO CLUB PROMOVE SELEÇÃO DE ATLETAS Interessados devem ter nascido entre 2002 e 2010, conforme faixa etária da modalidade. As avaliações serão realizadas a partir do mês de agosto   O Olympico Club é referência quando o assunto é revelar atletas. Grandes nomes do Esporte iniciaram no Clube. No mês de agosto, o Tricolor da […]
  • Olympico na Copa CBC CBDA de Natação

      Em anúncio realizado por meio de nota, no dia 6 de julho, a Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos em parceria com o Comitê Brasileiro de Clubes anunciou a convocação da atleta do Olympico, da categoria Juvenil, Letícia de Paula para participar da Copa CBC CBDA de Natação – Campeonatos Brasileiros Interclubes.   A competição […]
  • Festival de Tortas do Vôlei

    A diretoria de Vôlei em conjunto com o Departamento de Esportes promove uma ação deliciosa em prol das atletas da modalidade. O Festival de Tortas que será realizado no dia 6 de julho, vai arrecadar verba para o que as atletas possam participar de campeonatos durante a temporada.   Para contribuir com o futuro de […]
  • Oba! Vem ai a Colônia de Férias

    Férias! Oba! Olympico Club oferece atividades lúdicas e esportivas durante colônia de férias Para garantir a diversão das crianças de 4 a 12 anos, durante o recesso escolar, o Olympico realiza a Colônia de Férias – “A diferença é o que nos une”. O objetivo do tema escolhido é exercitar nos colonos é aprender a […]
  • Olympico ganha prêmios no Congresso Brasileiro de Clubes

      A participação do Olympico Club no Congresso Brasileiro de Clubes 2019 foi muito positiva. O evento aconteceu entre os dias 20 e 23 de junho, no Royal Palm Resort, em Campinas/SP e reuniu personalidades esportivas, representantes de entidades esportivas.   A Fenaclubes celebrou os 30 anos de realização dos Congressos Brasileiros de Clubes em […]
  • Carta aberta a comunidade do Basquete

    Carta aberta, A Confederação Brasileira de Basketball – CBB vem realizando um excelente trabalho de resgaste do Basquete Brasileiro, sob a liderança de seu presidente Guy Peixoto, ações que têm resultado na recuperação do prestígio da entidade esportiva. Com satisfação, o Olympico Club tem estreitado as relações com a Federação Mineira de Basketball – FMB […]

Onde Estamos

Endereço: R. Professor Estevão Pinto, 783, Serra Belo Horizonte, MG. CEP: 30220-060

Funcionamento

2ª, 3ª e 5ª – 06h às 22h | 4ª e 6ª – 06h às 23h
Sábado, domingo e feriado – 06h às 20h

Contato

Telefones: (31)3073-9111 / (31) 3073-9112
E-mail: olympico@olympico.com.br

Olympico 2018 - Todos os direitos reservados
Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support